18 outubro 2008

Durante Minhas Longas Horas (insônes)

surpreendo-me mais uma vez pensando
O que eu penso..?
Quem sou..?
Um turbilhão de pensamentos
fatos
histórias
Sorrisos que pulam aos olhos da mente
Momentos perdidos

(no tempo)

frases entre-corta-das

(diálogos não terminados)

Monólogos
Saudades
Esperanças
Desesperanças
Medos
Tristezas
Alegrias

Meu Deus!!!!
como eu agüento viver em mim..?

minha mente que não pára não dá trégua
Que guerrilha mais acirrada entre

(Eu e Eu mesma)

Minhas guerras travo aqui dentro
E por mais transparente que se
seja ao longo da vida aprende-se
a manter um sorriso pronto que
mantêm os 'de fora' fora

E os de Dentro?

Os que lêem os olhos não se
intimidam com sorrisos
Os que ouvem o coração
não se assustam com os
gritos e os impropérios

Os que lêem o pensamento não
se deixam enganar pela letra

"Sempre pensei em você assim
sentada me olhando enquanto
eu pareço uma barata tonta"

Olhando assim tão suave com
um sorriso de 'canto de boca'
com olhos tão tranqüilos
mãos tão pacientes palavras
tão quietas

Eu e minhas guerrilhas vendo-a
na minha frente
Amando-a e Detestando-a
por me fazer sentir

(tão frágil)

Minha mente voa..

(passado Nunca vivido)

Ela - Senta aí, vamos conversar
Eu - Não posso. Há tanto a fazer
Ela - Não precisa... estou aqui

De onde tiras esse poder de bruxa
que me aquieta e me tranqüiliza?
Teus olhos me acalmam,
tua boca me sossega
tuas mãos me acalentam
sinto-me perdida de mim.

Um ser que não consigo reconhecer

(Sou mais tua que minha e isso me
faz ter novo acesso de inquietude)

Um abraço
Novamente a suavidade me toma
Olho teus olhos

Eu - Como pode? Como consegues?
Ela - Como consigo o quê?
Eu - Acalmar-me sua boba
Ela - Ah! não é verdade Também te deixo inquieta
Não lembras disso? (risos)

(...)

Vejo-me correndo das mesmas mãos
com prenúncios de cócegas e apertos
Brincadeiras infantis que faziam a
casa virar de 'cabeça pra baixo'
Risos soltos gargalhadas

(dia de chuva cheiro de café)

A mente voa novamente e me traz
De volta..Presente..volto às minhas
noites e aos meus pensamentos e
às minhas guerras

E... sinto o perfume nas mãos...
e nos ombros o peso das escolhas
que fazemos

(Não sofro... só penso)


[Desconheço o autor]



.............

8 comentários:

Nemogeleia disse...

Fico sempre a voar neste blog.
Bjs

o casalqseama* disse...

somos sempre um turbilhão de emoções, fatos, dias, sentimentos, cores, pensamentos que se acalmam em um olhar parceiro!

muito lindo!

sandrinha,
add-nos à sua lista de feeds, pois conseguimos configurar o desgustação íntima, agora já dá pra ver nossa att diária!

"brigadão"!

bjs da fê =D

Afrodite disse...

Como sempre,vir aqui é um banho morno as nossas preocupações do dia-a-dia...vc aquece a nossa alma com os belos poemas e músicas que tocam nosso íntimo!
Adoro vc, Sandrinha!
Bjos...
Afrodite

Roberta Saviñon disse...

oi! bom, é a minha primeira visita e não consegui parar de ler. tdo no seu blog me fez relaxar e me inquietar quase q ao msmo tmpo. se quiser me visite estarei esperando, estou soh no começo mas espero conseguir sensibilizar tanto quanto vc...
um bju...

Sir Stephen e SUA maria{SS} disse...

vc escreve muito bem!
adorei!
vou voltar sempre!
beijos

maria{SS}

»» Nøélya «« disse...

Lindoooooo... Amei seu post! Você escreve com o coração e, consegue nos levar a um lugar bem longínquo de nossas mentes!!!

Parabéns pelo Blog... Me delicio sempre ao vir aqui!...

Bjinhus e ótimo domingo...

Afrodite disse...

BASTA DE VIOLÊNCIA!!!
Não podemos deixar calar tais sentimentos!
Algo tem que ser feito já!
Não se cale diante de tanta impunidade!
Passe a mensagem adiante!
Vista o luto por uma vida sem medo!
PEGUE SUA FITA NO BLOG!
Bjo!
AFRODITE

Casal do Arrocha disse...

Que intensidade!
Bjs...