03 outubro 2008

Ouça [me]

Hoje falo de ti
Só de ti
Só para ti ..

Intemporal o estar em tiIntemporal
esta redenção em mim Intemporal
Essa vontade de beijo que me
entorpece a razão e aflora em mim
este desejo incontornável de
te ter e me rasga a pele
por que não estás aqui!!

Mas (te)sinto por dentro
Vem que tenho feridas abertas
pela ausência vem que preciso da cura

Inundação de querer mais e mais
num crescendo de intensidade
em implosão Inundação de ti

Por dentro de (mim)

Nesta música que surge
sempre que tocas minha alma
violinos que gemem segredos e murmúrios
Labaredas do que me une a ti
neste fogo de entrega

(Eu, preciso)

Vem que faço de ti um pouco mais de mim
enquanto te torno mimha nessa noite
de sussurros insinuações/letras/e um não dizer

Vem recrias a magia dos afetos
Que na tua alma encontrei

Hoje falo pra ti

Que fazes dos origamis palavras
envolventes de sorrisos abraços ternos
e da tua presença pássaros de esperança

A ti que fazes das minhas fraquezas
muralhas de céu e de mar esse mar
que corre no olhar com marés de infinito

Deixa que te corra nas veias
essa lava incandescente que
te dilacere esta ameaça

Revela-te rochedos e falésias
para que possas finalmente voar

Vem
Voe

Deixa teu olhar preso no meu

Aproxima-te mais
Vem até mim
Deixa-te estar comigo
Neste lugar só nosso
Fique aqui

(psssssss)

Lá fora chove e aqui sem ti
o sil^ncio de aus^ncias é sufocante

Demora-te mais aqui
Anda daí que esta é a
minha voz a chamar por ti

Deixa-te estar mesmo que
eu esteja calada

Deixa-te estar ouça a melodia
disritimada do meu coração

Deixa-te estar mesmo que as
palavras fiquem do avesso

Deixa-te estar ainda que eu não te peça

(...)

Mas se for preciso vou pedir..

(preciso..)

Todas as palavras que digo
- é por esconderem outras palavras


[Desconheço a autor(a)
se alguém souber me avise
para colocar os devidos
créditos e os direitoa autorais]



"Qual é mesmo a palavra secreta?
Não sei é porque a ouso?
Não sei porque não ouso dizê-la?
Sinto que existe uma palavra,
talvez unicamente uma,
que não pode e não deve ser pronunciada.
Parece-me que todo o resto não é proibido.
Mas acontece que eu quero é
exatamente me unir a essa palavra proibida.
Ou será? Se eu encontrar essa palavra,
só a direi em boca fechada,
para mim mesma,
senão corro o risco de virar
alma perdida por toda a eternidade.
Os que inventaram o
Velho Testamento sabiam
que existia uma fruta proibida.
As palavras é que me impedem
de dizer a verdade.
Simplesmente não há palavras"

"Sobre a Escrita"

[Clarice Lispector]

..........

Um comentário:

caurosa disse...

Oi, a Clarice é sempre surpreendente, sua poesia é digna da imortalidade. Lindo blog. Paz e harmonia.

Forte abraço.

CAUROSA - caurosa.wordpress.com